Há um ano…

Home » Há um ano…

O dia 18 de agosto entrou para a história da vela brasileira nos Jogos Rio 2016. Na tarde daquela quinta-feira nublada, uma multidão lotou a Praia do Flamengo e foi ao delírio com a conquista da medalha de ouro da dupla Martine Grael e Kahena Kunze, na classe 49erFX. Foram as primeiras campeãs olímpicas da vela feminina do Brasil.

A euforia foi tamanha que muita gente foi para dentro d’água festejar com a dupla brasileira, que venceu a regata da medalha por apenas dois segundos de vantagem sobre as adversárias neozelandesas, medalhistas de prata. Na chegada à areia, o barco foi erguido nos braços do povo. Festa nas águas da Baía de Guanabara, êxtase na Marina da Glória.

Hoje, exatamente um ano após a conquista, a Confederação Brasileira de Vela lança a nova versão do seu site oficial. É uma página mais dinâmica, com conteúdo mais rico em fotos, vídeos e conexão direta com nossas redes sociais. Para marcar a ocasião, a Confederação presta uma homenagem às campeãs olímpicas com um bate-papo muito especial. Confira!

 

Como foi a vida de vocês neste período de um ano após a conquista do ouro nos Jogos Rio 2016? O que fizeram fora da água, e o que fizeram no esporte?

Kahena – As duas semanas depois dos jogos foram as mais intensas da vida. Muitos compromissos, fotos e eventos junto com comemorações. Já tínhamos marcado viagem para tirar umas férias, esfriar a cabeça, curtir o momento e ponto! Por mais que estivéssemos de férias por aí, foi impossível não velejar. Velejei com outros barcos, mas de 49er só voltamos seis meses depois, para a Copa do Mundo em Miami.

Martine – Foram muitas mudanças, eu passei por uma “ressaquinha” pós-Jogos depois que eu voltei das férias. E nesse ano muitas coisas começaram a pintar. Como a Regata de Volta ao Mundo, que tem sido um projeto meu desde o começo do ano. Na 49er, fizemos a maior parte dos campeonatos e fomos bem em todos. Priorizamos os que íamos nos sentir melhor, pois começar no primeiro ano do ciclo a 100% ia ser complicado.

Olhando pra frente: onde vocês pretendem estar daqui a um ano?

Martine – Daqui a um ano espero estar super, superanimada para velejar todos os dias de 49er.

Kahena – Retomando os treinos depois do Mundial de Aarhus (Dinamarca).

A CBVela agora tem sede na Marina da Glória. O que a Marina representa para vocês?

Kahena – Finalmente conseguimos uma base para vela. Já é um passo bem grande ter a Marina como base. Agora é aproveitar para promover mais campeonatos e investir nas novas gerações.

Martine – É bom que a CBVela tenha um lugar permanente agora. Velejadores de outros estados que não tinham onde deixar o barco quando vinham para treinamentos no Rio agora têm onde ficar. Acho que abre mais espaço para organizarmos campeonatos de maior porte e trazer clínicas de treinamento para o Rio. Tirou um pouco a necessidade de velejadores estarem filiados a mais de um clube.

Como vocês lidam com a oportunidade de inspirar novas gerações na vela, especialmente as meninas?

Martine – Acho que fomos o abre-alas.  Quebramos o gelo, agora só falta a mulheradinha se animar! Tem que ter dedicação, mas mostramos que não é impossível. Eu sou superaberta se algum dia alguém vier pedir dicas ou pedir para sair para ver um treino. Adoro pessoas proativas. Tenho o maior prazer de passar um pouco da experiência. Nos últimos dois anos, a gente estava superatenta se tinha alguma meninada vindo das classes mais jovens. E tem, mas para muitos falta o interesse.

Kahena – Essa medalha inspirou muitas meninas e jovens velejadores, mas o caminho é longo e, se não tiver uma paixão, uma motivação, é tudo mais complicado. Estamos abertas para ajudar e trazer novas meninas para a nossa e outras classes.

O Mundial de 49erFX começa no dia 28 de agosto, na cidade do Porto, em Portugal. Qual a expectativa para essa competição?

Martine – Vai ser um reencontro de todas as meninas que foram para os Jogos Rio 2016, algumas supertreinadas e outras um pouco menos, como nós. Além de todas as que estão começando.

Kahena – Vamos com calma e sem criar muita expectativa. Tem algumas meninas que já estão treinando forte desde o começo do ano. Muitas pararam e estão recomeçando agora. Não vai ser fácil, ainda mais no Porto, que é uma raia que exige muita técnica, com ondas e vento. Mas será um desafio e somos movidas por novos desafios. Então, é aproveitar os dias antes do campeonato para tirar o máximo.

Num dia sem vento, que outro esporte você mais gosta de fazer?

Kahena – Paddle, nadar, surfar, correr, pedalar…

Martine – Com certeza pedalar! Eu adoro. Sempre que tenho um tempinho entre as competições, pego a bike para explorar novos lugares.

Leitor de Página Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support